Sertã está pronta para ser cidade

José Farinha Nunes acredita que “a Sertã está pronta para ser cidade”. O presidente da Câmara Municipal da Sertã defendeu, durante o discurso que assinalou o Dia do Município, que estão criadas “as condições necessárias para concretizar este desígnio, talvez o mais desafiante dos últimos séculos”.

O autarca fez uma resenha do trabalho desenvolvido pelo executivo ao longo dos últimos anos: “Quando o executivo a que presido tomou posse, pela 1ª vez, em 2009, apresentámos uma estratégia clara para o concelho, assente em eixos fundamentais como a floresta, o turismo e as energias renováveis. Era um programa ambicioso, mas realista”.

O presidente da Câmara lembrou alguns dos principais marcos destes anos, como a adesão à Comunidade InterMunicipal do Médio Tejo, a criação do SerQ – Centro de Inovação e Competências da Floresta ou a adoção de uma “estratégia sustentável e de longoprazo” no setor do turismo, centrada em produtos endógenos como o maranho ou nas potencialidades locais.
José Farinha Nunes lembrou a importância da transformação “do antigo convento de Santo António numa unidade hoteleira de 4 estrelas”; vincou a aposta “na marca ‘Trízio’ enquanto destino de veraneio e desportos náuticos” e constatou a capacidade do Município organizar “eventos capazes de atrair milhares de pessoas à Sertã”.

(…)

Segundo José Farinha Nunes, todo este trabalho “encerrava uma ideia ambiciosa, um grande desígnio”, que “mais do que anunciado, precisava de ser construído, dia após dia, ano após ano”.
A ideia de «Sertã cidade» é, para o presidente da autarquia, “a nossa batalha para o futuro”.

(Leia o artigo de António Freitas na íntegra na próxima edição do DZ).